Aos 15, ainda na base, Neymar omitiu R$ 583 mil, aponta Receita Federal

 

 

Em 2007, 100% dos rendimentos do atleta foram pagos em direitos de imagem à NR Sports, empresa usada para sonegação fiscal, segundo denúncia do Ministério Público

 

Por Leonardo LourençoSão Paulo

 

 

Com apenas 15 anos, ainda na base do Santos, o atacante Neymar omitiu rendimentos de R$ 583 mil, de acordo com uma autuação da Receita Federal de 2012. O valor é parte do previsto em um contrato de direitos de imagem assinado entre a NR Sports, empresa controlado pelos pais do atleta, e o Santos, em 2006. Para o Fisco, um acordo para diminuir a carga tributária.

 

A omissão de exatos R$ 583.324,60 rendeu duas multas que, somadas, chegam a R$ 460 mil. A defesa do atleta tentou anular a cobrança na Justiça Federal, mas teve o pedido negado há duas semanas. O caso é semelhante ao que levou o MPF (Ministério Público Federal) a denunciar o jogador por sonegação fiscal e falsidade ideológica na semana passada, mas não consta na documentação entregue pela procuradoria.

 

Para o Fisco, rendimentos de Neymar deveriam ter sido tributados como pessoa física 

 

Antes de poder se profissionalizar, o que a lei só permite aos 16 anos, Neymar assinou com o Santos um contrato de formação que previa o pagamento de uma ajuda de custo – o valor variou de R$ 2 mil a R$ 3 mil. Ao mesmo tempo, acertou seu primeiro acordo para cessão de direitos de imagem ao clube da Vila Belmiro. 

 

Contrato da NR Sports com o Santos, assinado em 2006, previa R$ 1,7 milhão à empresa da família de Neymar até 2011, com pagamentos mensais, semelhantes e com  aumentos regulares

 

Esse acerto era muito mais vantajoso financeiramente. Por ele, a NR Sports, titular da imagem do atacante, receberia R$ 1.780.333,30 até 2011 – em 2010, quando Chelsea ofereceu 30 milhões de euros ao Santos e Neymar decidiu ficar no Brasil, outro contrato foi assinado, cancelando o anterior.

 

A Receita mirou os ganhos entre janeiro de 2007 e abril de 2008, dois meses após Neymar se profissionalizar no Santos. Para o Fisco, o dinheiro tinha natureza salarial por manter valores semelhantes e pagamento periódico.

 

O contrato com o clube previa que a NR Sports receberia R$ 400 mil no ato da assinatura, mais R$ 600 mil em três parcelas pagas em 2007, 2008 e 2009. Além disso, outros pagamentos mensais e com aumentos regulares: R$ 8 mil entre maio de 2006 e abril de 2007, R$ 12 mil entre maio de 2007 e fevereiro de 2009, R$ 14.500 em março de 2009, R$ 15 mil entre abril de 2009 e fevereiro de 2010, R$ 17.500 em março de 2010, R$ 20 mil entre abril de 2010 e fevereiro de 2011 e, por fim, R$ 3.333,30 em março de 2011.

 

Os rendimentos de pessoa jurídica, como a NR Sports, geram tributação de cerca de 15%, inferior à taxação a pessoa física, como o salário registrado em carteira, de até 27,5%.

 

– A Lei Pelé e o Código Civil reconhecem a possibilidade de ceder a imagem para a exploração de uma pessoa jurídica. Esses jogadores reconhecidos têm que provar que têm uma imagem a ser explorada. Não pode pegar um jogador que veio da base e estabelecer que o maior percentual que ele ganha já é a imagem – avalia o advogado tributarista Rafael Pandolfo.

 

Parece discrepar da realidade um atleta de 15 anos receber vultuosos 

 

Carlos Augusto Daniel Neto, professor do Instituto Brasileiro de Direito Tributário

 

Para a Justiça, é razoável o pagamento de direitos de imagem a um jogador, mesmo da base, com uma perspectiva de futuro como a que se tinha de Neymar, na época. O que causou estranheza ao juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 4ª Vara de Justiça Federal de Santos, que rejeitou o pleito do atleta e seu pai, foi a desproporção entre imagem e retribuição.

 

Em 2007, 100% dos rendimentos de Neymar eram resultantes de sua imagem. Em 2008, apesar de ter se assinado um contrato profissional já em fevereiro, a balança novamente pendeu para os pagamentos com menor tributação: 56% (R$ 196 mil em salários declarados, R$ 247.324 em imagem).

– Há certa intransigência por parte da Receita em reconhecer esse regime jurídico. A multa me parece demasiada. É de 75%, ou de 150% quando há dolo – explica Pandolfo.

 

Foi o que aconteceu neste caso. A Receita Federal, que entendeu que o ato foi proposital, apurou 13 pagamentos que não foram declarados, um imposto devido de R$ 157.891,73, e aplicou a punição de 150%, mais juros.

 

A defesa de Neymar – que depositou em juízo a multa enquanto o caso é discutido nos tribunais – apontou, em sua argumentação, que a autuação deveria ser anulada porque os valores não deveriam ser considerados como remuneração pela condição de atleta profissional, uma relação que ainda não existia entre o atacante e o Santos. E que os pagamentos se justificariam pela exploração da imagem do atleta pelo clube.

 

Para o Ministério Público, pai de Neymar é "mentor de uma série de fraudes" (Foto: AP)

 

– Da mesma forma que o salário de um jogador guarda correspondência com a habilidade dele, é razoável que os direitos de imagem recebidos guardem correspondência com o potencial midiático do atleta. Todavia, sem grande conhecimento do caso concreto, parece discrepar da realidade um atleta de 15 anos receber vultuosos valores a título de direito de imagem – aponta o Carlos Augusto Daniel Neto, professor do IBDT (Instituto Brasileiro de Direito Tributário) e conselheiro do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) do Ministério da Fazenda.

 

A reportagem tentou contato com os representantes de Neymar, mas eles não foram encontrados. O jogador ainda pode recorrer da última decisão.

 

"Mentor de fraudes"

 

Na última terça-feira a Justiça quebrou o sigilo da denúncia feito pelo MPF, que em seguida divulgou comunicado em que aponta o pai de Neymar como o "principal mentor e articulador de uma série de fraudes". O órgão afirma que ele criou empresas de fachada para simular negócios a abater o pagamento de impostos, inclusive de pagamentos feitos pelo Barcelona para a transferência do atacante para a Espanha, em 2013.

 

No domingo, Neymar e o pai se negaram as acusações em entrevista ao Fantástico. Dois dias depois, publicaram nota no site do jogador questionando o trabalho do procurador-chefe do MPF em São Paulo, Thiago Lacerda Nobre.

 

A Justiça ainda não decidiu se aceitará a denúncia, o que transformaria os acusados em réus.

Please reload

Destaques

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recentes

21.09.2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Busca por Tags