RECONHECIDO ACÚMULO DE FUNÇÕES DE AEROMOÇA QUE FAZIA VENDAS

 

A 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) condenou a VRG Linhas Aéreas S.A. a pagar a uma ex-empregada verbas trabalhistas decorrentes do acúmulo de funções de comissária de bordo e vendedora. O colegiado entendeu que a obrigação de comercializar alimentos e bebidas durante os voos extrapolou as atribuições do cargo para o qual a trabalhadora foi contratada.

 

A obreira foi admitida pela Webjet Linhas Aéreas S.A. (empresa incorporada pela VRG) em janeiro de 2008, como comissária de voo, e dispensada, sem justa causa, em abril de 2013. Nesse período, sua maior remuneração foi de R$ 3.967,10. Ocorre que, a partir de dezembro de 2010, passou a exercer também a atividade de vendedora de mercadorias fornecidas pela Cater Suprimento de Refeições Ltda. Antes das decolagens, ela recebia os produtos e o cardápio com os respectivos preços. Tão logo se iniciasse o voo, era obrigada a divulgar por microfone as vendas - que só podiam ser feitas em dinheiro, e o troco, quando havia, era dado pela própria trabalhadora. Pelo exercício da nova função, recebia R$ 80,00 por mês.

 

A comissária de bordo recorreu à Justiça do Trabalho para ver reconhecido o vínculo de emprego com a Cater, mas o pedido foi negado em 1ª e 2ª instâncias. Sucessivamente, requereu o pagamento de adicional pelo acúmulo de funções, o que também foi indeferido em 1º grau. Só que, ao analisar o recurso da profissional, o redator designado do acórdão, desembargador Leonardo Dias Borges, entendeu ter havido “exercício simultâneo de duas funções ao longo da jornada de trabalho, e não apenas acréscimo de responsabilidade ao cargo de comissária de bordo desempenhado pela autora, visto que passou a fazer anúncios, com a descrição e indicação das marcas dos produtos, além de cobranças em dinheiro”.

 

O magistrado assinalou, ainda, ser “irrazoável conceber-se que toda e qualquer função esteja inserida nas atribuições do trabalhador. A adotar-se tal procedimento, estar-se-ia autorizando ao empregador locupletar-se do esforço do empregado sem a devida contraprestação, o que afrontaria o princípio da isonomia salarial. No caso, ficou demonstrado o desempenho de atribuições que não sejam precípuas à função para a qual a empregada foi contratada”.

 

Desse modo, a empresa terá de pagar à ex-empregada o valor correspondente a 40% da remuneração, com os reflexos no aviso prévio, nos 13º salários, integrais e proporcionais, nas férias acrescidas do terço constitucional, integrais e proporcionais, e no FGTS com a multa de 40%.

Nas decisões proferidas pela Justiça do Trabalho, são admissíveis os recursos enumerados no art. 893 da CLT.

Please reload

Destaques

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recentes

21.09.2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Busca por Tags