Guarda compartilhada é tema de livro lançado em seminário na Emerj

26.04.2016

No seminário “A Guarda Compartilhada: a prevalência do menor em face da litigiosidade dos genitores. Como administrar esse conflito”, realizado nesta terça-feira, dia 19, no auditório da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj), a desembargadora Áurea Pimentel Pereira ressaltou os direitos e deveres dos pais na questão de guarda e avaliou que uma decisão adequada só pode ser alcançada caso os pais a compartilhem em harmonia.

 

“Casos de guarda compartilhada são um enorme desafio para os juízes de Direito. No meu entendimento, a forma compartilhada é a melhor maneira de solucionar essas questões, mas só vai ser capaz de atender aos interesses mútuos de maneira ideal, caso seja harmoniosa, sem confrontos e beligerância. E é preciso sempre ter em mente que há uma criança na discussão, e é preciso, antes de tudo, respeitá-la”, explicou a desembargadora.

 

O seminário foi realizado em comemoração ao lançamento do livro “Guarda de filho menor – Doutrina e Jurisprudência”, de autoria da magistrada palestrante.

 

O diretor-geral da Emerj, desembargador Caetano Ernesto da Fonseca Neto, ressaltou a história da magistrada na Justiça e sua importância para a evolução e aprimoramento das análises sobre o Direito da Família.

 

“O conhecimento e experiência da desembargadora Áurea fizeram história neste Tribunal de Justiça. O lançamento do livro vai contribuir muito para a discussão do tema, que é muito amplo, delicado e que nos tira o sono, mas que sempre foi bem analisado pela magistrada”, destacou o desembargador.

 

A psicóloga do Tribunal de Justiça Glicia Barbosa de Mattos Brazil disse que este é um assunto atual, construído diariamente pelo Poder Judiciário e a sociedade. De acordo com ela, é fundamental que a criança seja ouvida no processo de guarda compartilhada. E ressaltou a importância do trabalho da equipe de psicólogos para auxiliar o juiz na decisão e ajudar a família a conduzir a situação de forma que seja menos danosa para a criança.

 

“Nós precisamos ter contato com a criança, de forma aberta, para conhecê-la e então emitir um laudo, que vai oferecer elementos para a decisão do juiz. A gente pode ajudar os pais a prestar mais atenção em seus filhos no cotidiano, dar dicas de como conduzir situações do dia a dia, mas o melhor pai, ou a melhor mãe, é a criança quem sabe, e precisamos avaliar suas opiniões e comportamentos para ajudar a solucionar o caso da melhor maneira”, afirmou a psicóloga.

 

O defensor público Luiz Paulo Vieira de Carvalho disse que é preciso orientar os pais durante o processo de guarda para que não influenciem os filhos de maneira involuntária, ou tentem, de forma consciente, denegrir a imagem do antigo companheiro diante das crianças.

 

“Mesmo que os pais amem e tenham carinho pelos filhos, vez ou outra eles acabam por atrapalhar um pouco a situação. Por exemplo, quando uma mãe fica falando mal do ex-marido, ou pedindo para que o filho peça certa coisa ao pai porque ele tem mais condições de fazer, mesmo sem querer prejudicar, cria uma confusão na cabeça da criança. E há casos em que há uma influência direta dos pais, em que uns dos dois começa a rebaixar o outro propositalmente, esperando que a criança passe a compartilhar da mesma visão e seja influenciada para tomar escolher com quem ficar”, avaliou o defensor público.

 

Compuseram também a mesa a corregedora-geral da Justiça do Rio, desembargadora Maria Augusta Vaz Monteiro de Figueiredo, e o advogado Luiz Cláudio Guimarães Coelho, representante do Instituto Brasileiro de Direito de Família.

Please reload

Destaques

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recentes

21.09.2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Busca por Tags